28 agosto 2006

Extremos Parecidos



Descalça sinto o calor da terra debaixo de mim
É a humidade que define o relevo indefinido.

Sem descartar uma única opção
Estou estranhamente dividida
Intocada, aprisionada na hesitação dos velhos se...

Sem voz para um sim
Ou talvez não.

Não há uma opção sentida
Tudo é uma farsa fingida,
Onde o impasse criado
Prolonga apenas no tempo o condenado.

A intuição substituirá a razão
Na decisão pelos extremos
Vou seguir o coração.

3 comentários:

Alma Nova disse...

Na indecisão, amiga, podes crer que o coração é sempre o melhor guia. Deixa-o escolher e segue-o até ao fim do caminho...vais de certeza fazer uma bela viagem!

Maria disse...

Pela estrada da vida por vezes seguimos caminhos que parecem estranhos, hesitamos, paramos, pensamos...será esse o melhor caminho?

Loira disse...

Antes do coração e da razão... a intuição! Não me tinha enganado tanto...