05 junho 2006

O calor da vida

Se um dia o teu olhar estiver em mim
Saberei decifrar o sentimento.

É junto ao mar
Que sinto o gosto salgado
Daquelas lágrimas que marcaram o sofrimento.

Revejo as partes em que mereceste o reconhecimento
Pela representação,
Pelo tempo perdido em ensaios para chegares aquela perfeição.

No intervalo da interminável encenação teatral,
Amo-me...
E espero os aplausos, não os teus porque também representaste
Mas os de quem foi levado (ou será levada) por um amontoar de mentiras.

Eu, sou aquela a quem a natureza agrada todos os dias,
O sol cumprimenta-me
E amadurece-me, fazendo-me mais bela.

Bela, se um dia não fui...
Hoje, vejo o reflexo da admirável mulher
Que renasceu em mim.

O mar que me reflecte é o mesmo da maior das estrelas,
O sol...
Brilho e recebo o teu calor.

3 comentários:

Anónimo disse...

Se um dia o teu olhar estiver em mim
cairei na timidez da noite...

-
Adoro a forma de te expressares.
Nunca deixes de escrever.
Um beijo enorme

Carlos

gilana disse...

A descoberta do ser, é o contínuo desafio e perpétua viagem, que nos encanta quando o premitimos viver! Fico feliz, sempre que o presencio! Que as estrelas te confiem o segredo! beijos!

sniqper disse...

Bela, se um dia fui??? Que erro Cristina, não esperava, mas estás perdoada...lol. Eu vou corrigir. Eu sou aquela em que a natureza delegou o papel da mais bela, de uma mulher linda, sensível e que desfaz montanhas com o sorriso mais cristalino que alguma vez ouvi. Agitada como o mar, mas calma como ele para aceitar os reflexos da luz. Se um dia o teu olhar estiver dentro de mim, sentirei esse calor e depois pimba, caio redondo!!! Coisas de cota linda, magnifica a tua escrita. Beijocas.