18 julho 2006

Há noites em que vale apena despertar!




É noite
As horas passam,
Galos anunciam o novo dia.

Como em tantas outras noites
Admiro a beleza das coisas simples:
Como é bela a minha cidade,
A minha rua iluminada.
Do nada surgiram novas construções!

Lá fora, a lua encoberta
Relembra que há vidas adormecidas.
Cores que se apagaram,
Imperceptíveis, minúsculas...

Revejo um passado
Entre a luxuria, o fashion e o VIP.
A tentação em convivio com a alegria...
Fui muito feliz ali.

Sem repressões
Fui verdadeira...

Abandonei um estilo de vida,
Agora presente no sangue que percorre o coração.

Estou ausente das festas,
Da música, do meu mundo...

Acordo todos os dias
A apreciar o novo cenário,
O dia!

Aguardo o calor desse dia,
O brilho do sol.
O bom dia dos pássaros
Por entre os planos do pequeno-almoço.

Ainda sinto falta da luzes,
Da pista de braços no ar,
Da alegria da música.
Da minha energia!

Ainda sinto vontade de brilhar,
Como é escuro este dia.
As pessoas apagam-se com intrigas
E rugas de gélidas expressões.

Oprimida, entre frustados
Busco o meu lugar ao sol,
Procuro o meu brilho inato.

Ficarei assim?
Não se houverem espelhos
E neles puder reflectir.
Irei brilhar do alto!
Irei acordar...

Que me invejem os perseguidos
Porque eu vou triunfar!

Vou acordar para a vida com que sonhei,
Seguir em frente sobre estas barreiras.
Gritarei!
Lutarei!
Correrei!

Quanto aos perseguidos!
Desculpem-me
Porque vou ser verdadeira.

2 comentários:

Mafalda disse...

Olá!

Acabei de ler o teu blog todo. Poderia assinar todas as tuas palavras...

Gostava de falar ctg. Deixo-te o meu msn: maf_phera@hotmail.com

Beijo

casadoesquilo disse...

Um dia, um belo dia azul como gosto de dizer, dei por mim parado a olhar um simples passaro que recolhia palhas do chão.
Nesse dia, um dia igual a muitos outros marcado pelo ritmo diário de uma deslocação casa-trabalho senti um arrepio, senti que apenas reparava numa parte das coisas e que estava sujeito a não ter visto aquele passaro a recolher palhas do chão, tal como eu e tantos outros, se deslocavam para o trabalho saídos dos "seus ninhos" e como forma de os manter.
Assim e a partir de então eu preocupo-me em parar, preocupo-me em admirar o que me rodeia, procuro uma coisa nova todos os dias pelos mesmos caminhos que faço, procuro ouvir os outros, procuro entender-me, procuro....

Harmonia...
- conciliar a noite com o dia
- conciliar o que não se tem com o que se quer ter
- conciliar com os amigos e os inimigos
- conciliar o nosso pensamento, enquadrado no momento e nos nossos ideais de vida
- ...