16 fevereiro 2007

Por onde vou?


Experimento as crescentes sensações da tua ausência
sem saber se haverá mais a acrescentar.

Encontro-te nas memórias intensas
que me percorrem os sentidos,
sem me sentir só!
Sem ainda saber estar, sem ti!

Memórias falam-me do que vivemos
sussurram-me ao ouvido um futuro.
Ainda incrédula fecho-me neste claustro
nao me quero ver partir,
resisto por um tempo aqui...

Na resistência procuro-me,
talvez encontre a minha alma,
o meu eu interior,
talvez aí saiba algo de ti,
talvez descubra mais...
uma oportunidade!

Procuro-me a mim para saber de ti...

5 comentários:

casadoesquilo disse...

Todo o tempo requer tempo pois sem tempo não há tempo para pensar e escolher o caminho a seguir. A seguir ao tempo que o tempo leva para escolher um caminho lá virá o tempo em que de um novo tempo vamos precisar para reflectir sobre o caminho escolhido e quem sabe a seu devido tempo mudar.

Um abraço forte neste teu tempo.

Anónimo disse...

Só o desenrolar dos dias irá ditar o que tem de partir e o que tem de ficar. E no fundo sabamos que tudo tem um sentido. Por isso caminha e nunca desistas... O tempo é sábio!

Anónimo disse...

Atrás do tempo, vem tempo.. do tempo... a sapiência.. depois as memórias e a certeza do presente. Beijinhos açorianos

Anónimo disse...

Acreditar e meio caminho andando para se encontrar aquilo k se ker!
por isso, caminho acreditando k um dia vamos ser só um! bj grd! JC

Alma Nova disse...

A busca de ti própria vai-te encaminhar para encontrares, algures para além do tempo, o que tanto procuras nas tuas memórias e nas tuas sensações. Jokitas.