30 março 2006

A ti... Que estás em mim!



Entre os sonhos perdidos
Ainda presentes na memória, flutuo.
Aqui amo como amei.
Sou a flor que escolheste no jardim da Praça.

De cor clara como noutros tempos,
Agora apagada por traços de expressão.
Marcas do tempo que passou
(Da dor dentro de mim).

Há caminhos, pontes, monumentos,
Momentos que não me deixam.
Marcam o nosso passado.
Tudo aquilo que está cravado em mim
E me consome.

Traí-me, traí-te...
Não segui o meu coração e fui.

Deixei de lado o coração por achar que ele não via,
Usei os olhos e então deixei de te ver.
Sinto que foi para sempre.

Agora, encontro-te dentro de mim...

No meu coração para sempre!

1 comentário:

Clara disse...

"Porque tu... deixas em mim, tanto de ti..."

P.Abrunhosa