06 maio 2007

Sol



Deito-me no chão como se daqui já não saísse
há dias, ou meses!
Observo as vagarosas nuvens que lembram do tempo.
Haja silêncio para me corroer na memória.
Lá ao fundo o piar das aves, o cantar dos grilos,
Como se eles fossem felizes!

Altera-se a gravidade, posso atirar-me no infinito,
Cair no céu azul, ser abraçada pelo branco puro
e divino das nuvens.
Oh ninfas! Oh guias!
Não era a força da terra que me fazia caminhar,
era o amor!

Com as mãos espalmadas na terra seca, quente,
Enterro os dedos, procuro as raízes
Para que possa segurar-me,
Para que possa, enfim, prosseguir.

Só!
Com um céu mais azul, as nuvens mais vagarosas,
Aguardo o teu partir,
o último minuto deste terror absoluto.
Arrasto-me na poeira, no rosto ficam partículas de terra húmida,
No rasto das lágrimas que secaram.

Foi uma pequena história!
Mas num mundo já tão desgastado de emoções, decepções...
Dias haverá em que não ficarei aqui nas questões:
Que foi que não fiz?
Porque eu sei que não fiz...

O tempo passado irá anular-se subitamente,
Talvez quando as nuvens se forem...
Será isso que queres?
O que é que eu não fiz?
Deixa-me ficar a ver-te partir
Porque haverá sempre um amanhecer,
Pelo menos para ti!

5 comentários:

jpfmagalhaes disse...

O importante na vida é termos certeza daquilo que queremos ser, para onde queremos ir... se soubermos isso ninguém nos irá deter e seremos capazes de amanhacer sempre com garra pelos cheiros, cores e sabores da vida.

Maria disse...

"Será isso que queres?
O que é que eu não fiz?"

A duvida mata amiga, procura, corre, vive. A solidão no meio da multidão mata...
Beijitos

Maria José disse...

O tempo passado anular-se-á. E as recordações? Fugirão também?

Clara disse...

Tudo só é o que já tinha de ser... Não fiques presa à duvida do que correu mal, do que nao fizeste... Também para ti há um amanhã!

Beijinho

Alma Nova disse...

Eternas dúvidas, um sem fim de porquês...Amiga, conhece-te e ama-te em primeiro lugar. E faz! É melhor, do que chorar depois por não ter feito. Jokitas.